RSS

AUTOMOBILISMO ► Deu na internet: “Abre o olho, Stock Car!”

11 maio

Vejam o post publicado por Erich Beting em seu blog (http://negociosdoesporte.blog.uol.com.br/).


*** *** ***



03/05/2010
Abre o olho, Stock Car!

“Cortar a transmissão da Stock Car a 3 minutos do fim é muito frustrante. Até desliguei a TV”. A frase é de Rubens Barrichello, piloto de Fórmula 1 e entusiasta da Stock, às 10h51 de domingo. Foi postada em seu perfil no Twitter. E revela o risco da Stock Car de acabar como produto esportivo no longo prazo.

Há dois anos, a Stock se vangloriava de ser o benchmark para o automobilismo nacional. A categoria tinha suas 12 etapas transmitidas ao vivo na Globo (sendo quatro provas aos sábados), havia acabado de fechar com a Nextel como patrocinador principal da categoria e, mais do que isso, já conseguia oferecer uma alternativa viável para o piloto brasileiro construir a carreira dentro do próprio país.

No ano seguinte, caiu o número de provas ao vivo na TV aberta: foram oito, sendo que as quatro que aconteciam aos sábados passaram para o domingo, para permitir aos patrocinadores mais tempo para a realização de ações promocionais. Até aí, menos mal. Uma coisa compensava a outra.

Mas, hoje, a situação é preocupante, para não dizer outra coisa. Nenhuma prova é transmitida na íntegra em TV aberta, o patrocínio da Nextel deu lugar ao da Caixa (nada contra, mas a Stock perdeu o apoio da iniciativa privada para ter o aporte de uma empresa estatal, eterna “anjo da guarda” do esporte brasileiro) e cada vez menos os pilotos têm a certeza de que terão patrocínio garantido para os seus carros.

Para piorar, o apoio incondicional da Globo já não é tão grande assim. A emissora continua a vender o pacote para a Stock Car como parceira da competição. O patrocinador paga cerca de R$ 3 milhões para estar na categoria e cerca de duas vezes isso para estar também nos veículos da Rede Globo (TV aberta, TV fechada e site) que fazem a cobertura da categoria. Mas a parceria tem de ir além da venda comercial da Stock. É inadmissível que o esporte permita ter a transmissão de sua prova encerrada com três minutos de antecedência. Ou que o canal a cabo, com 24 horas de programação, não transmita a prova ao vivo, enquanto exibe, no mesmo horário, um documentário sobre futebol…

Ou a Stock Car abre o olho, ou vai perder o status de grande categoria do automobilismo. Sim, continua sendo mais negócio ter a Globo como parceira. Principalmente pela qualidade na geração de imagens das provas. Mas de que adianta ter boa qualidade de imagens se elas não vão ao ar quando devem?

Esse é só mais um dos dilemas que se apresentam para os gestores da Stock.

Nos próximos anos, esse modelo de total obediência à TV vai se revelar um tiro no pé. A Stock tem história, apoio e potencial para exigir mais de seu parceiro de transmissão. Ou para procurar alguém que seja, de fato, um parceiro dela.

Por Erich Beting às 18h35

*** *** ***

Como comentei lá no espaço do jornalista, trata-se de mais um exemplo do procedimento padrão da emissora do jardim Botânico, que no momento deve estar apenas preocupada em evitar que o produto Stock Car caia nas mãos da concorrência, pouco preocupando-se em divulgá-lo.

A interrupção da transmissão da corrida a três voltas do fim já diz tudo. 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 11 de maio de 2010 em Automobilismo

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: