RSS

MUNDO ► Cortina de fumaça: causador de uma catástrofe ambiental sem precedentes na História, os EUA e seus capachos da ONU usam Irã para desviar olhar do mundo para o outro lado

10 jun

Desde abril, um vazamento de petróleo no Golfo do México completamente fora de controle, tornou-se para muitos o maior desastre ecológico da História. A tragédia foi causada pela companhia petrolífera norte-americana British Petroleum (BP). São de 2 milhões a 3 milhões de litros de petróleo por dia jogados às águas do Golfo, provocando a morte de milhões de animais, entre aves e espécies marinhas nos Estados Unidos.

Momento patético: ontem, 9 de junho, dois meses depois, o governo americano deu à British Petroleum um ultimato de 72 horas para que apresente um plano detalhado sobre como vai interromper o vazamento, que está lá, ao vivo, todo dia nos canais, Bloomberg, CNN…

Enquanto isso, os EUA e seus capachos (ou cupinchas, tanto faz) do Conselho de Segurança da ONU decidem por novas sanções contra o Irã. Acham eles,os EUA e seus cupinchas (ou capachos…), que o programa nuclear iraniano vai acabar com o mundo – se o mundo resistir, claro, às tragédias causadas pelos EUA.

Assim desviam o olhar mundial, que deveria estar totalmente focado nessa catástrofe que afeta gravemente o planeta em que vivemos. E funciona, porque sua influência abrange todo mundo que lhe é subserviente, senão em nível de nações, mas em relação a grandes mídias. Hoje você acessa o portal do Uol, um dos maiores do país, e não há nada na capa sobre o vazamento. Justiça seja feita, no portal Globo.com há uma chamada para o desastre. Mas posso garantir que a erupção do vulcão islandês recebeu manchetes maiores por muito mais tempo.

Façamos um exercício de imaginação: como seria a reação norte-americana e de seus capachos (ou cupinchas…) se o causador da tragédia ambiental fosse uma companhia petrolífera da Venezuela de Hugo Chavez? Não é preciso forçar muito os neurônios para supormos que os EUA e seus cupinchas (capachos?) no mínimo tentariam tomar posse do petróleo venezuelano alegando que o país não tem competência para lidar com tamanha responsabilidade. E o mesmo valeria se o assassino da natureza fosse uma companhia norte-coreana, cubana, chinesa…

Um desastre desses, infelizmente, pode acontecer em qualquer lugar. Mas óbvio que há “qualquer lugar” com direito a isso e “qualquer lugar” sem o mesmo direito. Na ordem imperialista mundial, os EUA, país maior consumidor de energia e maior poluidor de todo o planeta, são um “qualquer lugar” que pode assassinar a natureza impunemente, sem que seus capachos (cupinchas?) da ONU tomem qualquer providência ou decidam por qualquer sanção contra eles.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 10 de junho de 2010 em Mundo

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: