Início > Copa do Mundo 2010, Futebol > COPA DO MUNDO 2010 ► Em jogo bom, Uruguai derrota Coreia do Sul e depois de 40 anos chega às quartas de final

COPA DO MUNDO 2010 ► Em jogo bom, Uruguai derrota Coreia do Sul e depois de 40 anos chega às quartas de final

Fazia um fim de tarde lindo em Porto Elizabeth. Sol, céu azul, temperatura amena. De repente, nuvens, chuva, vento, frio… Assim como o clima, o panorama em campo também variou bastante na abertura das oitavas de final da Copa do Mundo da África do Sul entre Uruguai e Coreia do Sul. O jogo começou aberto, com a Celeste Olímpica um pouco melhor e aproveitando uma falha do goleiro coreano para abrir o placar. Mas a seleção sul-americana ainda no fim da etapa final começou a ceder espaços e no segundo tempo foi intensamente pressionado pela Coreia do Sul, que não desistiu até alcançar o empate. A partir desse instante, porém, o Uruguai voltou a atacar e o fez até desempatar com um golaço de Luís Suarez. Um bom jogo que com certeza agradou o público presente ao estádio.

Antes do primeiro minuto, as duas defesas já haviam dado indícios de que poderiam colaborar para a emoção da partida, a coreana com uma furada espetacular e a uruguaia com um passe no pé de um adversário, falhas não aproveitadas pelos ataques. Talvez ajudasse a dificultar a vida especialmente dos zagueiros (por que dos zagueiros, não sei, estou tentando arrumar uma desculpa para eles) o gramado em mau estado. As duas equipes movimentavam-se abertamente, até que aos 7′ o Uruguai inaugurou o placar. Cavani rolou para Diego Forlan na ponta-esquerda e o atacante canhoto fez um improvável cruzamento de perna direita. A Jabulani passou por trás da linha de defesa e pelo goleiro Jung Sung Ryong, que perdeu o tempo de bola e não achou nada. A bola se ofereceu para Luís Suarez, que, quase sem ângulo, chapou de primeira para o gol.

A essa altura, o ataque uruguaio incomodava bastante, com Calvani municiando Forlan e Luís Suarez à frente. Já do outro lado, a Coreia pecava sempre na penúltima bola, aquela que deixaria alguém em condições de dar sequência a um lance de gol. Aos poucos, entretanto, a linha de volantes uruguaia, formada por Pérez, Arévalo e Alvaro Pereira, recuava e ia se fixando como uma linha mesmo, bem à frente dos zagueiros, fazendo um ótimo trabalho nesse sentido, mas isolando-se de Calvani, Suarez e Forlan e os abandonando no momento do contra-ataque. Apenas no fim do primeiro tempo os uruguaios acertaram uma raríssima resposta, com Maxi Pereira se aventurando ao ataque, recebendo na entrada da área e dando um lindo lençol num zagueiro. Na sequência, Maxi chutou antes da bola cair e o zagueiro interceptou a jogada com o braço. Foi pênalti, mas o juiz alemão Wolfgang Stark, bem colocado, achou que não.

Na Coreia do Sul, destacava-se o camisa 10 Park Chu Young, que logo aos 4′ fez uma linda cobrança de falta da meia esquerda que chocou-se com o poste direito, com o goleiro Muslera podendo apenas fazer golpe de vista. Mas o time precisava caprichar nos passes para ameaçar mais.

No segundo tempo, o Uruguai vestiu a horrível fantasia de time pequeno que tem usado nas últimas décadas, ignorando a tradição e a força de sua camisa e recuando inteiramente para seu campo de defesa, sem sequer armar-se para contra-atacar. Por isso não foi surpresa que as chance de empatar para a Coreia, que apertava a marcação na saída de jogo adversária, fossem surgindo. A principal ocorreu aos 5′, quando Lugano cortou mal um cruzamento, cabeceando nos pés de Park Chu Young, que dominou e de dentro da área bateu por cima, uma chance incrível que o bom camisa 10 não costuma desperdiçar. Mas outras chances ocorreram, principalmente aos 4′, quando o lateral esquerdo Lee Young Pyo foi driblando até a linha de fundo e colocou a bola na pequena área sem que ninguém completasse para o gol, e aos 13′, na cabeçada de Park Ji Sung no canto esquerdo que Muslera voou para pegar.

O gol de empate surgiu aos 22′, num lance que revela um dos maiores problemas uruguaios: o excesso de vontade que às vezes provoca faltas idiotas, simplesmente assim. Como a que Lugano cometeu, saindo quase na intermediária para derrubar o adversário que estava de costas para o gol e próximo à linha lateral do campo. Na cobrança lá da esquerda, a defesa rebateu mal, Lugano se colocou pior e Muslera saiu errado, ficando fácil para Lee Chung Yong cumprimentar para o gol. E logo na saída de bola a Coreia voltou ao ataque e Park Ji Sung deixou Lee Chung Yong em ótimas condições para desempatar, mas o meia chutou em cima de Muslera. O Uruguai pagava caro por sua covardia e a chuva aumentava, assim como o vento. Ainda bem para a torcida que o jogo era bom.

Como num passe de mágica, porém, a seleção uruguaia lembrou que não era proibido atacar e que podia fazer isso muito bem. E aí foi sua vez de desperdiçar oportunidades, principalmente com Suarez, que se movimentava muito à vontade pelo gramado. Assim o 9 uruguaio ameaçou duas vezes: uma aos 27′, quando recebeu impedido pela direita, levou uma fração de tempo para perceber que o bandeira nada assinalara e acabou batendo sem ângulo, forte, para Jung Sung Ryong espalmar; outra, logo no minuto seguinte, quando recebeu agora na esquerda, quase na pequena área, sozinho, e se precipitou ao cabecear em vez de dominar antes de finalizar. Uma hora o bom centroavante ia acertar – e acertou em grande estilo. Aos 34′, o escanteio cobrado da direita foi parar em seus pés no lado oposto. Ele cortou dois zagueiros para dentro e da risca da grande área colocou de curva, com muita categoria, no canto esquerdo de Jung Sung Ryong. A bola ainda tocou na trave antes de morrer no fundo da rede. Golaço.

A Coreia do Sul, que precisou correr muito em busca do empate, novamente foi à frente atrás de nova igualdade, mas parecia cansada, se não física, mentalmente. Pressionou bastante, com muita garra, mas não chegou lá. Apesar de ter criado uma excelente oportunidade para marcar aos 41′, quando Park Ji Sung fez um passe de cinema para Lee Dong Cook, que ficou sozinho na meia direita da grande área, mas se afobou e chutou de cabeça baixa, quando poderia ter dominado com calma e concluído melhor. A bola acabou batendo em Muslera e rolando por baixo do goleiro em direção ao gol, mas lenta o suficiente para a zaga aliviar.
Luís Suarez foi o destaque absoluto do Uruguai e da partida. Forlan e Calvani sofreram com o abandono a que foram relegados durante a maior parte do tempo, o que obrigava Forlan a fugir mais ainda de suas características e recuar para tentar jogar com Calvani. Lugano foi muita garra, coração, caras e bocas, mas falhou duas vezes no lance do gol coreano, como já havia feito antes, na bola que Park Chu Young desperdiçou.

Na Coreia do Sul, Park Chu Young deu uma apagada no final do jogo, mas foi bem a maior parte do tempo. Park Ji Sung fez dois ótimos lançamentos que deixaram seus colegas sozinhos com o goleiro. O meia do Manchester United realmente tem muita qualidade no apsse. E o lateral direito Cha Du Ri, apesar de limitado tecnicamente, apoiou o tempo inteiro. Mas os zagueiros estiveram inseguros e sofreram com Luís Suarez.

Link da página da Fifa sobre o jogo: Jogo 49: Uruguai 2 x 1 Coreia do Sul.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: