RSS

COPA DO MUNDO 2010 ► Meus outros sete melhores momentos: 64 jogos depois, para sempre na memória

19 jul

Ainda durante a Copa do Mundo, fiz um post com meus três melhores momentos da primeira fase da competição (tem ele aqui). Agora, uma semana após a conquista espanhola, vou completar uma lista com “os meus 10 mais” com outros sete momentos. Desta vez, em ordem cronológica.

7 – O copioso choro do atacante Jong Tae-Se durante a execução do hino da Coreia do Norte antes do jogo contra o Brasil

Filho de pais sul-coreanos, Jong Tae-Se nasceu no Japão, mas sempre estudou em escolas ligadas ao regime comunista da Coreia do Norte e decidiu naturalizar-se por opção ideológica. Ele muito insistiu para que fosse convocado e não resistiu à emoção ao ouvir o hino do país que escolheu como pátria. Algo que emocionou a todos, especialmente nestes tempos em que a Copa do Mundo parece apenas só mais uma obrigação para estrelas do mundo todo que faturam milhões com o futebol.

6 – O desespero de Asamoah Gyan após a eliminação de Gana nas quartas de final contra o Uruguai

Todo mundo que acompanhou a Copa com certeza ainda está com esse jogo na cabeça. No último minuto do segundo tempo da prorrogação, o atacante uruguaio Luís Suárez evitou com as mãos, em cima da linha, aquele que seria o gol da classificação da seleção africana e da eliminação de seu país. Suárez foi expulso e deixou o campo aos prantos. Gyan, artilheiro e melhor jogador ganês, inclusive naquela noite, quando foi um verdadeiro guerreiro, cobrou no travessão. Na disputa de pênaltis, o Uruguai converteu a primeira cobrança. Em seguida, Gyan pegou a bola, caminhou para a marca de cal e chutou para igualar a série, com uma personalidade poucas vezes vista. Mas não deu para Gana, o Uruguai venceu e, após Loco Abreu converter o gol da classificação com aquela incrível cavadinha, Asamoah Gyan simplesmente quase sofreu um colapso nervoso, mal se aguentando de pé, completamente inconsolável. Definitivamente, para ele defender seu país numa Copa do mundo não era uma mera obrigação profissional.

5 – As históricas goleadas da Alemanha sobre Inglaterra e Argentina

O melhor futebol de toda a Copa da África do Sul apareceu pelos pés germânicos em duas já antológicas goleadas sobre Inglaterra e Argentina, pelos inapeláveis placares de 4 x 1 e 4 x 0, respectivamente. Não bastasse o fato de Inglaterra e Argentina serem duas das potências atuais da bola e duas das candidatas ao título, são ambos os países provavelmente os maiores rivais alemães no futebol, talvez só comparados aos holandeses. Foram atuações de encher os olhos de um meio-campo formado por Khedira, Schweinsteiger, Muller e Oezil, muito bem acompanhado por um mais aberto e avançado Podolski e pelo artilheiro Klose. Para se ter ideia do feito, nunca uma seleção goleou duas rivais numa mesma Copa do mundo, em sequência, no espaço de uma semana. Sensacional.

4 – O futebol bola-no-pé da campeã Espanha

Não embarco no entusiasmo exagerado em relação à campeã Espanha. Acho que falta, efetivamente, um bom centroavante para que possa ser comparada às maiores campeãs mundiais ou mesmo a equipes que não venceram, mas jogaram futebol que marcaram, como a Hungria de 54, a Alemanha de 74 ou o Brasil de 82. Talvez Fernando torres, se estivesse bem ou em forma ou se jogasse o que se supõe que ele joga (a Copa serviu também para colocar na berlinda todos esses craques mercadológicos, mas isso é outra história…). Mas evidentemente que todo mundo que é apaixonado por futebol deve mesmo jogar as mãos aos céus por ter como campeã mundial uma equipe que valoriza a posse de bola, o toque e a habilidade, sem espaço para botinudos brucutus em sua meia-cancha. O título espanhol fará um grande bem aos próximos anos do esporte. Assim como o vice da Holanda, que, se foi mal na final, é um país que insiste, veja só, em pleno século 21, em jogar sempre com três atacantes, sendo dois abertos pelas extremas! Ou seja: como verdadeiros pontas, uma posição cujo fim foi vaticinado especialmente nos anos negros do futebol, aqueles malfadados anos 90.

3 – A torcida africana e suas vuvuzelas

Tem quem não goste, mas faço parte do time que gostou – e muito – das vuvuzelas. Tenho a minha e venci o desafio de aprender a tocar. Não, não basta apenas soprar, rola uma técnica… Acho que a itinerância da Copa do Mundo e de outros megaeventos eventos esportivos tem sua principal relevância no apresentar a todo o mundo não só uma capacidade exemplar de realização do evento (como única, exclusiva e estupidamente entendem a Fifa e o COI), mas os hábitos de seu povo, as características de seus torcedores, mostrar como pulsam seus estádios e demais palcos esportivos. E os estádios africanos pulsam ao ritmo das vuvuzelas e do canto e da dança de seus torcedores – para desgosto da Fifa, que sonha com um público de ópera em palco de TV, sentado e apenas manifestando-se de acordo com as orientações do placar eletrônico; FAZER SILÊNCIO, APLAUDIR, MANIFESTAR ESPANTO… Como, aliás, também defende o preconceituoso técnico campeão mundial pela Argentina em 1978, quando trabalhou a serviço do regime militar que desgovernava o país na época, Cesar Luís Menotti, que teve a cara de pau de dizer que a Fifa só deveria promover a Copa do Mundo em países onde o torcedor entendesse de futebol e não ficasse fazendo barulho infernal durante as partidas. Dá para acreditar nisso?

2 – As imagens da TV geradora do evento

Jamais, em tempo algum, viu-se no futebol uma qualidade de transmissão como a vista na África do Sul. Mesmo os jogos mais chatos eram visualmente irresistíveis com aquele show que as câmeras nos proporcionaram. E olha que o blogueiro aqui não tem TV full HD, LCD , plasma, 3D ou afins.

1 – A Copa do Mundo da África do Sul como um todo

Eu há muito tempo tenho a opinião de que eventos esportivos globais devem fugir de grandes e tradicionais centros urbanos, muitas vezes envoltos em tensões de diversos tipos, e ir à busca de regiões mais periféricas, digamos assim. Copa na Alemanha? Olimpíada na Grécia? Uma chatice, sem sal algum. Tá, vá lá que a Grécia tem um valor olímpico histórico, mas que só justificaria uma nova competição lá em 1996, centenário dos Jogos, mas esse ano foi, após uma eleição fraudulenta, para Atlanta, que realizou provavelmente a pior Olimpíada das era moderna, com direito a caos no transporte, atentado a bomba e tudo. Fora isso… A gente, ou melhor, eu fico daqui preocupado o tempo todo com a possibilidade de atentados terroristas ou quaisquer manifestações sociais e/ou políticas que possam gerar violência. Quando se parte para áreas mais distantes do grande fluxo de transporte global ou de mais difícil acesso, mais fácil se torna controlar o ir e vir do público e organizar a segurança do evento. Assim foi na Coreia do Sul e no Japão em 2002, do mesmo modo que em Sydney em 2000. A África do Sul acabou sendo assim também, felizmente. Um povo tremendamente receptivo e um ambiente mais leve para todos. Foi tão light a coisa que muitos jornalistas espantaram-se como havia um aparente relaxamento em algumas ocasiões. Claro, assim como o Brasil, o país tem problemas sociais que geram violência e há áreas perigosas, onde você pode ser vítima de furtos ou roubos sem surpresa alguma. Mas são problemas internos e controláveis com uma ação mais eficaz da segurança, que, se feita de modo apropriado, ainda pode deixar um legado positivo no pós-Copa. Esportivamente, ainda na primeira fase ouvi muita gente dizer que a Copa era fraca, muito ruim, uma das piores da História etc. Aos poucos as opiniões foram mudando, o que reforça o exagero daquelas primeiras impressões. Até, porque quem as fez não acompanhou, com certeza, aquele atentado ao futebol que foi a Copa de 1990 na Itália, por exemplo. No frigir dos ovos, mesmo 1986, 1998, 2002 e 2006 perdem na comparação com o primeiro Mundial africano, que, ao meu ver, fica ali pau a pau com o de 1994 nos EUA, perdendo para todos os anteriores, sem demérito algum. Desde que a Fifa começou a inchar a competição, em 1982, passando de 16 para 24 seleções e depois para as atuais 32, o nível técnico, obviamente, só tenderia a cair mesmo. Mas este ano houve a Alemanha, a Espanha, mesmo a Holanda também jogava com a bola no pé, houve a emoção norte-americana, o inesquecível Gana x Uruguai, a surreal épica campanha invicta dos neozelandeses, as vuvuzelas… Muita coisa para lembrar.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 19 de julho de 2010 em Copa do Mundo 2010, Futebol

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: