RSS

POLÍTICA ► Fernando Gabeira é a grande decepção das eleições 2010

20 ago

Essa frase que dá título ao post eu posso falar de cadeira porque fiz muita campanha para Fernando Gabeira, desde sua primeira candidatura ao governo do estado do Rio de Janeiro em 1986.

Naquela época, fazia pouco que Gabeira fora fundador do recém-criado Partido Verde. Eu logo adotei a ideia de um partido ecológico no Brasil, nos moldes dos que já existiam na Europa.

Mas o PV não era levado muito a sério. Tinha uma aura meio elitista, meio inconsequente. Foi daí que surgiu uma oportuna coligação com o também ainda jovem Partido dos Trabalhadores: se o PV tinha uma imagem não muita séria, o PT, por sua vez, possuía imagem oposta, de um partido sério demais, dogmático demais, inflexível demais, ameaçador até para quase todas as camadas sociais do país.

Pois a coligação com o PV deu a leveza e a imagem de flexibilidade que o PT precisava para aliviar o peso carregado de sua estrutura e seu forte enraizamento ideológico e o PT, em troca, deu ao PV a chancela de um partido sério, que não estava ali apenas para brincadeiras.

Foi uma campanha muito bonita, com momentos marcantes, como a Passeata das Rosas na Avenida Rio Branco e o abraço à Lagoa Rodrigo de Freitas. Eu fiz muita campanha. Distribuí panfletos, usei broches e camisa. Gabeira não levou, mas amealhou mais de meio milhão de votos e fincou a bandeira do PV no Rio de Janeiro como um partido com um jeito diferente de fazer política. E se não elegi Gabeira naquele momento, ajudei a eleger Carlos Minc, depois elegi Alferdo Sirkis e, mais tarde, o próprio Gabeira, quando se candidatou a deputado federal em 1994.

Antes, em 1989, Gabeira saiu candidato à presidência da República. Era uma candidatura ideológica, não pragmática. Ninguém achava que houvesse qualquer chance de chegar ao menos ao segundo turno, mas era importante marcar posição pelas causas ambientais nacionalmente.

Na época, fui algumas vezes à sede do partido, ali na Lapa, pegar material para campanha. Fiz boca de urna, empunhei bandeira, fui a eventos e tudo o mais. O meu voto “pra valer” seria para Luís Inácio Lula da Silva, que eu tinha certeza que iria para o segundo turno, apesar da acirrada disputa com Fernando Collor e Leonel Brizola. Mas, antes disso, fiz o que achava importante na defesa de ideais ecológicos com os quais me identificava e resistindo a uma forte campanha pelo voto útil ainda no primeiro turno.

Por essas e outras, posso tomar emprestado sem muita cerimônia os versos de Chico Buarque e dizer: “Quem te viu, quem te vê, Fernando Gabeira.” Quem diria que o Partido Verde tornar-se-ia só mais um partido na política nacional, e não o partido diferente. E quem diria ainda que chegaria o dia em que veria Fernando Gabeira fazer uma campanha em que renegaria nacionalmente o seu PV, passando a mim e a muita gente a ideia de um político pragmático e carreirista, coisas contra as quais tanto lutara no passado. O político Gabeira há um bom tempo vinha guinando à direita. Até apoio e capa da Veja recebeu. E parece que agora chegou ao seu destino – totalmente oposto ao seu ponto de partida.

Assistindo ao horário eleitoral gratuito (é, eu assisto quando posso e confesso que gosto, por favor, não tentem me internar!) não há como não ficar chocado ao ver Fernando Gabeira ignorar a candidata do PV à presidência, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina da Silva, e veladamente (ou nem tanto) apoiar a candidatura José Serra, da aliança PSDB e DEM, o DEM de Cesar maia, de quem Gabeira virou uma espécie de “peixe”, como diria o ex-jogador e hoje político (?) Romário. Acho algo muito triste de ver. Não é questão de reformular opiniões e ideias ou de flexibilizar seu jeito de fazer política, mas de como fazer isso.

A ideia de traição ao partido e sua causas aumenta ao vermos vários candidatos do PSDB e do DEM com o painel ao fundo estampando o nome de Gabeira e até José Serra falando em prol de sua candidatura. Enquanto isso, os candidatos do PV seguem pedindo votos para si, para Marina e para o próprio Gabeira.

Hoje, vendo o programa de Fernando Gabeira, tive a sensação de ver apenas mais um político carreirista e fisiológico, sensação agravada pelo deprimente apoio a José Serra, desrespeitando seus eleitores, seu próprio partido e uma candidata como Marina Silva, que verdadeiramente não merecia isso.

Por isso, eu, que tanto votei nele, posso dizer de cadeira que Fernando Gabeira é a grande decepção das Eleições 2010. Tão decepcionante que deve estar deixando o V da bandeira do partido vermelho de vergonha.

Seria agora a minha vez de perguntar: “O que é isso, companheiro?”

É a minha opinião.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 20 de agosto de 2010 em Política

 

Tags: , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: