Início > Brasil, Imprensa, Política > POLÍTICA ► O editorial do New York Times que provocou um terremoto no Botanic Garden

POLÍTICA ► O editorial do New York Times que provocou um terremoto no Botanic Garden

A república dos vira-latas ficou desconcertada com o editorial de um dos principais veículos de comunicação da pátria mãe – da pátria mãe deles, que fique claro – condenando o movimento glolpista no Brasil. Logo da pátria mãe, de onde esperavam apoio amplo, geral e irrestrito…

Calma, glolpistas, vocês terão apoio da pátria mãe, só parece que não será, talvez, tão amplo, geral e irrestrito assim…

Foi como um terremoto no Botanic Garden. Um terremoto que gerou reações que servem mais uma vez para desmistificar aquela ideia utópica de que o jornalista brasileiro é um paladino da justiça e que não foi colaboracionista da ditadura militar que deu o golpe em 1964, apenas fazia o que o patrão e os militares mandavam e outros blablablás semelhantes. Tanto muitos jornalistas foram colaboracionistas lá, como muitos o são hoje. E veja que estou escrevendo “jornalista”, porque o “jornalismo”, dos patrões, todos sempre soubemos de sua nefasta participação em nossa sociedade.

Como em toda classe, há bons e maus jornalistas. Há profissionais decentes, que honram o compromisso social da profissão, e os outros…

A reprodução abaixo, em azul marinho, é da matéria de Kiko Nogueira publicada no Diário do Centro do Mundo e o link original é este aqui. Já o link do editorial do NYT está aqui.

*** *** ***

Um editorial do New York Times desta sexta feira 13 de maio defende a realização de novas eleições aqui e dá uma traulitada, mais uma de uma boa série, no golpe.

O título, em tradução livre, é “Tornando pior a crise política no Brasil”.

Dilma está pagando um preço “desproporcionalmente alto” por má conduta administrativa. Muitos de “seus mais ardentes detratores são acusados de crimes mais graves” e políticos “que orquestram sua deposição foram associados a um grande esquema de propina e outros escândalos”.

A liderança dela é considerada “péssima” e “abaixo do esperado”. Mas as pedaladas fiscais, usadas como base da acusação, foram “uma tática que outros líderes brasileiros utilizaram no passado sem sofrer grande escrutínio”.

Sua saída “é provável, já que 55 dos 81 senadores brasileiros votaram a favor de seu afastamento”. Com isso, ficará mais fácil retomar a política usual do pagamento de propinas.

Embora Dilma e seu partido tenham “se afundado nos últimos meses”, o PT ainda conta com “um apoio considerável, particularmente entre os milhões de brasileiros que saíram da pobreza nas últimas duas décadas”.

nyt“Os senadores que saboreiam a saída de Dilma devem lembrar que a presidente foi eleita nas urnas duas vezes”, diz o texto.

É uma análise correta, sóbria e criteriosa daquele que é, ainda, o melhor jornal do mundo. Mas que despertou a ira de jornalistas da Globo e do Estadão. São os pitbulls da versão pseudo legalista, latindo a cada vez que a história que tentam emplacar é desmoralizada na Europa e nos EUA.

Golpistas não gostam de ser chamados de golpistas. Canalhas não gostam de ser chamados de canalhas. A falta de decoro e de noção desse pessoal chegou a um ponto em que resolveram dar aulas de jornalismo ao Times.

Jorge Pontual, correspondente da GloboNews que vem dando vexame há semanas (o último foi uma comparação muito louca de Dilma com Hitler que ele tentou, sem sucesso, corrigir), escreveu no Twitter que “New York Times defende Dilma em editorial”.

A colega Lúcia Guimarães foi para cima numa espécie de surto psicótico.

“É de enfurecer a repetição descerebrada de que a fraude fiscal equivale ao que FHC e Lula fizeram”, replicou. A ex-colega de Saia Justa Monica Waldvogel pontuou que “a conclusão [do NYT] é doidona” (?!?).

A certa altura, Lúcia resolveu iluminar o pessoal do jornal, questionando em inglês o artigo. Se deu ao trabalho de colar um gráfico da Folha de S.Paulo. Obviamente, foi ignorada.

Lúcia vive em Nova York. É uma ex-produtora do Manhattan Connection que, após a morte de Paulo Francis, por uns tempos deu  pitacos no fim do programa. Escreve uma coluna que ninguém lê numa publicação cada vez menos lida, o Estadão.

Mora no Twitter, onde é como um pato velho se sacudindo no meio de um lago: só barulho. É fanática, autoritária e lelé a ponto de traduzir o discurso de posse de Michel Temer.

Mais do que isso, é um símbolo do partidarismo escrachado da mídia brasileira, que conta com gente como ela para tentar dar um verniz institucional e democrático a um governo vagabundo e sem voto.

A narrativa do golpe está consolidada. Se você não é cínico, estúpido, maluco ou de má fé, não consegue achar normal um sujeito como Cunha presidindo um processo de impedimento e um Michel Temer no poder. Ou fazemos de conta que é uma jabuticaba nacional e que só nós entendemos isso.

Tentar vender esse peixe malcheiroso tem gerado esses momentos de pagação de mico. Agora, é o tal negócio. O pessoal deve olhar para o João Roberto Marinho respondendo matéria do Guardian na caixa de comentários e pensar: bom, já que o patrão faz essa zona e mente aí numa boa, por que não eu, é ou não é?

*** *** ***

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

 

 

 

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: