BRASIL ► Política beligerante de Witzel e Bolsonaro ajuda a explicar assassinato de músico em Guadalupe

Em comum, além do fato de eu achar que os dois são aparentemente perturbados, emocionalmente desequilibrados, o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel e o presidente deste país Jair Bolsonaro têm o fato inconteste de serem eméritos defensores do uso da violência contra a violência. Suas declarações nesse sentido correm soltas por aí. Apesar de todo o Cristianismo que propagam, estimulam o uso indiscriminado de armas pelas forças de segurança, praticamente dando carta branca aos seus agentes para atirar primeiro e perguntar depois.

O que na prática significa, como não poderia deixar de ser, atirar primeiro e perguntar depois em cidadão socialmente indefeso.

Como fizeram em Guadalupe, onde profissionais do exército brasileiro totalmente (ou moralmente?) despreperados atingiram um carro de família com mais de 80 disparos, matando um trabalhador, um músico, um pai.

Confundiram com bandidos. Continue lendo

Anúncios

BRASIL ► Casa grande e senzala: até quando este país vai ser reduzido a uma fazenda de engenho colonial?

O vídeo a seguir, distribuído no YouTube pelo canal da HBO Brasil, é do novo programa de Gregório Duvivier.

Uma mordaz lição sobre a cidadania/democracia/igualdade às avessas praticada no Brasil por quem detém o poder e que levou o nome de “Direito ou Privilégio?”.

Mas pode chamar de “Casa Grande ou Senzala?”.

E aí? Onde você se enquadra?

Ou melhor: onde você acha que eles enquadram você?

Na casa grande ou na senzala? veja o vídeo…

BRASIL ► Para não esquecer: os senadores que entraram na História pela sarjeta votando pelo novo golpe

Eles votaram contra a democracia. Eles querem instalar uma nova ditadura. Os nomes deles e de quem os apoiou não serão esquecidos pela História.

Acir Gurgacz (PDT-RO)
Aécio Neves (PSDB-MG)
Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)
Alvaro Dias (PV-PR)
Ana Amélia (PP-RS)
Antonio Anastasia (PSDB-SP)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Benedito de Lira (PP-AL)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Cidinho Santos (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Cristovam Buarque (PPS-DF)
Dalirio Beber (PSDB-SC)
Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Dário Berger (PMDB-SC)
Edison Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Amorim (PSC-CE)
Eduardo Braga (PMDB-AM)
Eduardo Lopes (PRB-RJ)
Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
Fernando Collor (PTC-AL)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
Gladson Cameli (PP-AC)
Hélio José (PMDB-DF)
Ivo Cassol (PP-RO)
Jader Barbalho (PMDB-PA)
João Alberto Souza (PMDB-MA)
José Agripino (DEM-RN)
José Aníbal (PSDB-SP)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Medeiros (PSD-MT)
Lasier Martins (PDT-RS)
Lúcia Vânia (PSB-GO)
Magno Malta (PR-ES)
Marta Suplicy (PMDB-SP)
Omar Aziz (PSD-AM)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Pedro Chaves (PSC-MS)
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Reguffe (sem partido-DF)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Ricardo Franco (DEM-SE)
Roberto Rocha (PSB-MA)
Romário (PSB-RJ)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Rose de Freitas (PMDB-ES)
Sérgio Petecão (PSD-AC)
Simone Tebet (PMDB-MS)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Telmário Mota (PDT-RR)
Valdir Raupp (PMDB-RO)
Vicentinho Alves (PR-TO)
Waldemir Moka (PMDB-MS)
Wellington Fagundes (PR-MT)
Wilder Morais (PP-GO)
Zezé Perrella (PTB-MG)

*** *** ***

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial 3.0 Não Adaptada.

BRASIL ► Para não esquecer: a reportagem de abril da CNN que transtornou o PIG (Partido da Imprensa Golpista)

golpeÀs vezes acontece isso. Quando os queridinhos americanos jogam óbvias verdades (quando querem eles são capazes disso) na cara em formato de bom jornalismo (quando querem eles são capazes disso também, e com muita competência) que ferem os interesses do famigerado como PIG (Partido da Imprensa Golpista), os mundos Globo e Abril caem de cima de seus tamancos.

Foi como aconteceu no caso do editorial do New York Times de 13 de maio. Como publiquei aqui.

Isso porque esse povo metido a elite fica literalmente de quatro para o mundo imperialista (perdão pela imagem chula, mas adequada). Eles abanam o rabinho querendo agradar o tempo inteiro.

Como disse alguém, é gente que viaja para passar duas horas e meia em uma fila de brinquedo na Disneylândia com um sorriso estampado no rosto, mas que abre a boca para reclamar se precisar esperar 15 minutos por qualquer coisa no Brasil.

Até porque aqui eles gostam de prioridade, de privilégio. Continuar lendo…

BRASIL ► A difícil virtude da tolerância com o intolerável

Vou escrever uma coisa: esse negócio que o governo Temer Golpista está fazendo com a Comissão de Anistia é de deixar o confisco da poupança feita pelo Collor parecer apenas uma pegadinha de mau gosto.

Desfaçatez tem limite em relação à trágica ditadura que começou com o golpe de 1964 e aos covardes métodos de tortura (como se toda tortura não fosse covarde, eu sei…) e assassinatos promovidos pelo opressivo governo contra quem se opunha a ele.

Há quem não dê muita importância a isso.

Há quem diga que essa história de tortura seja um exagero.

Há quem minimize a coisa toda.

Há quem ache que a ditadura militar no Brasil seja uma criação de uma série de ficção da Globo levada ao ar com o nome de “Anos Rebeldes”. Continue lendo…

BRASIL ► Nota pública do Movimento por Verdade, Memória, Justiça e Reparação

O governo Temer anunciou hoje (a nota é de 3 de setembro – observação do blogueiro) uma intervenção inédita na Comissão de Anistia, órgão do Estado brasileiro responsável pelas políticas de reparação e memória para as vítimas da ditadura civil-militar. Pela primeira vez se efetivou uma descontinuidade de sua composição histórica.

Desde a sua criação pelo governo FHC, a comissão é composta por conselheiros e conselheiras com grande histórico de atuação na área dos direitos humanos, mantendo-se, ao longo do tempo, a integralidade dos seus membros e as composições integrais advindas dos governos anteriores. Os eventuais desligamentos de conselheiros(as)sempre ocorreram por iniciativas pessoais dos próprios membros, sendo substituídos(as) gradativamente. Continue lendo…