Arquivo

Posts Tagged ‘Beira-Rio’

FUTEBOL ► Frágil punição ao Vasco incentiva violência nos campos do país

19 de julho de 2017 Deixe um comentário

Me desculpe meu compadre, me desculpe minha esposa, me desculpem vascaínos queridos afins, mas a pena imposta ao Vasco pelo vandalismo na partida contra o Flamengo realizada em São Januário é um sinal verde para a violência – já exacerbada – que ronda o futebol brasileiro.

Seis jogos de punição, com perda de mando de campo, não é uma pena – é uma piada.

De mau gosto.

Daqui a duas semanas esses seis jogos viram duas cestas básicas.

Outra piada de mau gosto – mas esta ao menos não ameaça o torcedor.

E ninguém foi preso, claro. Leia mais…

FUTEBOL ► Gre-Nal no Beira-Rio aos pedaços é atestado definitivo de que a CBF armou para derrubar o Fluminense em 2010

29 de agosto de 2012 Deixe um comentário

E todo mundo acha isso normal? Ninguém vai preso?

As perguntas podem parecer retóricas ou prolixas, mas apenas porque se trata de Brasil. Coisas assim no futebol civilizado acabam em cadeia.

Como na Itália.

Aqui…

Bem, aqui ainda teve jornalista bobo dizendo que “ah, se é para fazer a obra, tem que fechar mesmo, não tem jeito” quando a CBF arbitrária e intempestivamente proibiu o Fluminense (e o Flamengo por tabela) de continuar jogando no Maracanã após o início das obras de reconstrução (chamar de reforma é uma piada) do estádio em meados de 2010. Continuar lendo…

FUTEBOL ► Mais uma patética e leviana declaração corintiana não pode ser mera coincidência

11 de setembro de 2010 Deixe um comentário

Quando comecei a registrar coisas que pensasse aqui neste blog jamais tive a intenção de perder muito tempo com futebol brasileiro. Apesar de eu considerar, dentro do campo, com todos os pesares, disparado o país que tem o mais difícil e equilibrado torneio nacional do planeta, o que rola nos bastidores, depois de tanto tempo acompanhando e prestando atenção às “letras miúdas”, meio que faz não levar muito a sério. Mas tem coisas que me fazem duvidar que estejamos mesmo em 2010…

Seria uma declaração daquelas “perdeu uma ótima chance de ficar calado”, não fossem as reiteradas vezes em que elas têm surgido lá pelas bandas do parque São Jorge. Talvez, coisa de quem sabe a força – ou melhor dizendo, influência – que tem.

O Corinthians, time mais beneficiado por más arbitragens no Campeonato Brasileiro e agraciado com sete ou oito pênaltis na competição (quase todos inexistentes), através de seu presidente Andrés Sanches (o parceiro de Ricardo Teixeira) declarou para quem quisesse ouvir: “Contra o Fluminense ninguém erra.”

Vale uma digressão para lembrar que são tantos pênaltis a favor do Corinthians que Ronaldo, mesmo gordo como nunca, voltou a campo apenas para cobrá-los, já que seus colegas não andam muito competentes nisso e, mesmo obeso, Ronaldo tem talento de sobra para converter penais.

Mas voltando à declaração de Sanches, ela poderia ser considerada apenas infeliz e até burra, mas burro Sanches não é, muito pelo contrário.

A queixa dele é porque o fraco árbitro baiano Jailson Macedo Freitas, campeão em marcação de pênaltis no país, após inventar um ridículo para o Corinthians no primeiro tempo da partida contra o Atlético Paranaense na Arena da Baixada, decidiu compensar com outro tão ridículo quanto a favor do time da casa.

Aí Sanches me sai com essa. E perde totalmente a moral e o respeito. Daqui para frente, sabemos tratar-se de mais um Eurico Miranda da vida, que joga sujo e pesado a favor de seu clube, não importando os meios, desde que os fins sejam alcançáveis.

Como não é burro, ele sabe que a liderança do Fluminense no campeonato só não é maior porque o Fluminense foi clamorosamente garfado em suas derrotas contra o Ceará e contra o Corinthians (como é mesmo, “ninguém erra contra o Fluminense”?) lá no início da competição. Nem sou que digo, toda a imprensa, mesmo a paulista, faz questão de lembrar, tão decisiva foi a arbitragem nesses dois jogos.

A gente soma essa declaração estúpida às de Roberto Carlos (insinuando que os adversários não se esforçam contra o Fluminense e “se matam” contra o Timão – tadinho…), Adilson Batista (“uma hora o Fluminense vai ter que perder”) e Jorge Henrique (“nunca vi juiz carioca apitar jogo do Corinthians com o Fluminense interessado no resultado”, na mesma tarde em que o Fluminense jogava com uma arbitragem… paulista!), entre outras leviandades, e aí já podemos desconfiar de um padrão definido com o fim de pressionar nos bastidores.

Se somarmos a isso a vingança da CBF contra o Fluminense, fechando o Maracanã enquanto o Beira-Rio e a Arena da Baixada seguem abertos mesmo durante as obras para o Mundial 2014, a absurda semana de folga dada ao Corinthians para celebrar seu aniversário (e treinar, recuperar jogadores…) e outras coisas mais, vemos que o título do centenário corintiano, fora de campo, está muito bem encaminhado. Será preciso muita incompetência para perdê-lo.

Os argumentos ou queixas são ridículos. Se esses caras não são burros, como acredito que não sejam, tenho direito de supor que há algo por trás disso tudo. Ou então o Corinthians é o verdadeiro time do chororô.

Pelo visto, novo 2005 à vista. E aí, Corinthians, vai deixar passar?

É minha opinião.