RELIGIÃO ► “Fora da justiça social não há salvação”: o paradoxo espírita

Hoje peço licença ao autor, Franklin Félix, para reproduzir o oportuno e ponderado artigo “Fora da justiça social não há salvação”, publicado dia 23 passado, em sua coluna Diálogos da Fé, no site da revista Carta Capital.

Franklin é um dos idealizadores do Movimento de Espíritas pelos Direitos Humanos e aborda um assunto bastante pertinente ao meio espírita em geral, particularmente em terra brasileira, algo que entendo como um paradoxo entre crer e ser.

Não que outras religiões sejam perfeitas ou não vivam com suas próprias idiossincrasias, mas não são religiões às quais me dedico.

O espírita (ou o espiritismo) estuda a palavra de Jesus, acredita nela (ao menos diz acreditar…), mas não é raro vê-lo agir – seja em movimento grupal ou individualmente – de forma quase que diametralmente oposta. Continue lendo

Anúncios

COPA DO MUNDO 2018 ► Tite errou como poucos na Rússia

Eu ia começar a escrever sobre a Copa do Mundo se referindo ao técnico brasileiro à base do “técnico autoajuda”. Mas, apesar de citá-lo, o termo me parece um tanto desrespeitoso e pode parecer a outros um outro tanto de pejorativo. E nada que se escreve por aqui se refere à pessoa, apenas ao treinador e ao seu trabalho à frente da seleção nacional.

Primeiro, em meu ponto de vista, deixo claro que entendo que o Brasil está para o futebol assim como os EUA estão para o basquete. Pela quantidade nitidamente superior de jogadores de qualidade que possui e que surge a cada temporada, nem um nem outro país pode entrar nas principais competições desses esportes achando que será cobrado como os demais países sem tantos recursos humanos. Por isso não por que se contentar com pouco.

Não que, no caso específico do Brasil, o país seja obrigado a vencer todas as Copas. Claro que não é isso. Só que não pode apresentar uma produção chinfrim como a que temos visto a cada quatro anos.

Mas isso é um problema macro do nosso esporte. Aqui as linhas são apenas sobre 2018. Continue lendo

CULTURA ► Como é bom ler Machado de Assis!

Outro dia, por um acaso desses cada vez mais raros na vida, tive a felicidade de encontrar tempo para passá-lo com um de meus melhores prazeres: a leitura!

Sabe aquela leitura descompromissada, casual, do livro que cai em mãos, por puro prazer? Pois é, foi o que aconteceu com “Histórias da Meia-Noite”, do eterno mestre Machado de Assis.

Havia literalmente décadas que eu lera pela última vez um Machado de Assis. E por obrigação escolar ou universitária.

E depois de tantos anos voltar a ler Machado foi como redescobrir o prazer da leitura. Algo que me fez exclamar para mim mesmo:  “Mas como é bom ler Machado de Assis!”

Parece que às vezes esquecemos coisas tão óbvias assim.

A riqueza das construções machadianas, a categoria no uso das palavras, a perspicácia nas observações sociais, a capacidade de levar o leitor a uma viagem fantástica e atemporal ao palco das ações… É de fazer o amante da leitura sentir-se embriagado de prazer. Continue lendo

FUTEBOL ► Internacional x Luverdense é mais uma pá de cal sobre o cadáver do futebol brasileiro

A esta altura todo mundo que acompanha futebol já sabe da lambança que ocorreu no final da partida do Internacional contra o Luverdense em Porto Alegre por mais uma rodada da série B do Campeonato Brasileiro.

O Internacional tropeçava mais uma vez em casa, novamente com um futebol sôfrego, com seu capitão D’Alessandro às raias da histeria, quando a arbitragem entrou em ação e deu um decisivo gol da vitória no final da prorrogação.

É, porque todo jogo em casa do Colorado na série B tem prorrogação…

O lance, sinteticamente: um atacante foi lançado em posição de impedimento e partiu em direção à bola. O auxiliar levantou a bandeira, o juiz não entendeu ou não concordou, o auxiliar se arrependeu ou quis confirmar – não importa o que ele diga depois, o que vale é a impressão que ele passou na hora – e simplesmente invadiu o campo acenando seu instrumento de trabalho e desviando toda a atenção da zaga do Luverdense, que parou no lance enquanto Sua Senhoria pateticamente tentava mandar o jogo seguir.

Lance de pelada.

Só que em pelada isso dá até em tiro. Continue lendo

FUTEBOL ► Frágil punição ao Vasco incentiva violência nos campos do país

Me desculpe meu compadre, me desculpe minha esposa, me desculpem vascaínos queridos afins, mas a pena imposta ao Vasco pelo vandalismo na partida contra o Flamengo realizada em São Januário é um sinal verde para a violência – já exacerbada – que ronda o futebol brasileiro.

Seis jogos de punição, com perda de mando de campo, não é uma pena – é uma piada.

De mau gosto.

Daqui a duas semanas esses seis jogos viram duas cestas básicas.

Outra piada de mau gosto – mas esta ao menos não ameaça o torcedor.

E ninguém foi preso, claro. Continue lendo

BRASIL ► Casa grande e senzala: até quando este país vai ser reduzido a uma fazenda de engenho colonial?

O vídeo a seguir, distribuído no YouTube pelo canal da HBO Brasil, é do novo programa de Gregório Duvivier.

Uma mordaz lição sobre a cidadania/democracia/igualdade às avessas praticada no Brasil por quem detém o poder e que levou o nome de “Direito ou Privilégio?”.

Mas pode chamar de “Casa Grande ou Senzala?”.

E aí? Onde você se enquadra?

Ou melhor: onde você acha que eles enquadram você?

Na casa grande ou na senzala? veja o vídeo…