FUTEBOL ► Fla-Flu: um “Ai, Jesus!”? Não, um vexame!

Não, não vou tripudiar sobre mais uma decisiva atuação de Marcelo de Lima Henrique pró-Flamengo. Mas caramba, como esse senhor dá sorte ao Mengão, hein? E desta vez com apenas 1’ (isso mesmo: 1min… ou 1 minuto… ou um minuto…como queiram) ele já influenciava no rumo da partida.

Mas sobre isso realmente não pretendo me alongar, até porque nada é tão pouco previsível no futebol do que uma trágica atuação de Marcelo de Lima Henrique em um clássico envolvendo o Flamengo. Coincidentemente, atuações normalmente trágicas para os adversários do Rubro-Negro. Certo, Vasco? Botafogo…? Dizem que o futebol é uma caixinha de surpresas. Bem, com Marcelo de Lima Henrique não costuma ser, não…

Enfim, acredite se quiser, mas no Fla-Flu do recente 27 de março Marcelo de Lima Henrique foi o menos pior em campo. Sério! Bem piores foram os dois bandos de supostos jogadores profissionais que envergaram (ou envergonharam?) duas tradicionais camisas do futebol brasileiro agindo como moleques e protagonizando um espetáculo absolutamente repugnante de pontapés, reclamações, valentia, macheza, malandragem e tudo mais o que se queira imaginar e que nada tenha a ver com futebol.

Futebol que, a propósito, não foi visto em campo. Continue lendo

Anúncios

COPA DO MUNDO 2018 ► Minha seleção da Rússia

Em uma desses portais da vida, dentre as opções oferecidas, montei minha seleção da Copa do Mundo 2018. Afinal, era só ir clicando e escolhendo dentre as opções oferecidas.

Daí resolvi trazer para cá e deixar registrada minhas escolhas. Como o fiz em 2010 (clique aqui para ler) e não o fiz em 2014.

Uma coisa que notei em diversas mídias foi que houve um certo consenso na escolha dos melhores deste ano, com poucas discrepâncias.

Em geral, os mesmos nomes disputavam a preferência de profissionais e torcedores para cada posição.

Segue a lista com minhas preferências: Continue lendo

COPA DO MUNDO 2018 ► O que a torcida brasileira na Rússia escancara sobre o país

Para usar uma expressão na moda, “precisamos falar sobre” os torcedores brasileiros no Mundial 2018.

Eu não sou lá muito afeito a me deixar levar por situações tipo se espantar facilmente com coisas que espantam uma pessoal normal, mas confesso que não pude evitar de me sentir um tanto chocado – apesar do fato em si em absolutamente nada me surpreender.

Assistir pela TV à torcida brasileira na recém-finda Copa do Mundo disputada na Rússia explica demais o país em que vivemos.

Somos um povo majoritariamente formado por negros e pardos. Além até do que as estatísticas mostram.

Mas um desavisado alienígena que desembarcasse nas terras da antiga União Soviética e visse os torcedores brasileiros no Mundial jamais imaginaria isso. Continue lendo

COPA DO MUNDO 2018 ► Tite errou como poucos na Rússia

Eu ia começar a escrever sobre a Copa do Mundo se referindo ao técnico brasileiro à base do “técnico autoajuda”. Mas, apesar de citá-lo, o termo me parece um tanto desrespeitoso e pode parecer a outros um outro tanto de pejorativo. E nada que se escreve por aqui se refere à pessoa, apenas ao treinador e ao seu trabalho à frente da seleção nacional.

Primeiro, em meu ponto de vista, deixo claro que entendo que o Brasil está para o futebol assim como os EUA estão para o basquete. Pela quantidade nitidamente superior de jogadores de qualidade que possui e que surge a cada temporada, nem um nem outro país pode entrar nas principais competições desses esportes achando que será cobrado como os demais países sem tantos recursos humanos. Por isso não por que se contentar com pouco.

Não que, no caso específico do Brasil, o país seja obrigado a vencer todas as Copas. Claro que não é isso. Só que não pode apresentar uma produção chinfrim como a que temos visto a cada quatro anos.

Mas isso é um problema macro do nosso esporte. Aqui as linhas são apenas sobre 2018. Continue lendo

FUTEBOL ► Internacional x Luverdense é mais uma pá de cal sobre o cadáver do futebol brasileiro

A esta altura todo mundo que acompanha futebol já sabe da lambança que ocorreu no final da partida do Internacional contra o Luverdense em Porto Alegre por mais uma rodada da série B do Campeonato Brasileiro.

O Internacional tropeçava mais uma vez em casa, novamente com um futebol sôfrego, com seu capitão D’Alessandro às raias da histeria, quando a arbitragem entrou em ação e deu um decisivo gol da vitória no final da prorrogação.

É, porque todo jogo em casa do Colorado na série B tem prorrogação…

O lance, sinteticamente: um atacante foi lançado em posição de impedimento e partiu em direção à bola. O auxiliar levantou a bandeira, o juiz não entendeu ou não concordou, o auxiliar se arrependeu ou quis confirmar – não importa o que ele diga depois, o que vale é a impressão que ele passou na hora – e simplesmente invadiu o campo acenando seu instrumento de trabalho e desviando toda a atenção da zaga do Luverdense, que parou no lance enquanto Sua Senhoria pateticamente tentava mandar o jogo seguir.

Lance de pelada.

Só que em pelada isso dá até em tiro. Continue lendo

FUTEBOL ► Frágil punição ao Vasco incentiva violência nos campos do país

Me desculpe meu compadre, me desculpe minha esposa, me desculpem vascaínos queridos afins, mas a pena imposta ao Vasco pelo vandalismo na partida contra o Flamengo realizada em São Januário é um sinal verde para a violência – já exacerbada – que ronda o futebol brasileiro.

Seis jogos de punição, com perda de mando de campo, não é uma pena – é uma piada.

De mau gosto.

Daqui a duas semanas esses seis jogos viram duas cestas básicas.

Outra piada de mau gosto – mas esta ao menos não ameaça o torcedor.

E ninguém foi preso, claro. Continue lendo